Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Hetero Doméstico

Insólitos insuflados com humor gourmet contrafeito e outros pitéus domésticos

Insólitos insuflados com humor gourmet contrafeito e outros pitéus domésticos


Um estudo científico comprovou cogumelos... Não provou cogumelos. Comprovou que os cogumelos conversam entre si e têm uma forma de linguagem parecida com a dos humanos: enterrada e a precisar de mais palavras para se fazerem entender naturalmente...


Uma análise matemática através de sinais elétricos que atravessaram os singelos cogumelos, permitiu descodificar padrões de interações que sugerem partilha de informação como proximidade de comida e estado de dureza do 'caule me by your name' para facilidade da sua reprodução...

O relatório linguístico bacteriano demonstrou que pelo menos 50 palavras foram detetadas num primeiro ensaio!
O que sugere que os cogumelos passam parte do seu tempo de vida em amena cavaqueira, antes de vir alguém arrancá-los da terra e salteá-los numa wok de poucas palavras...

O léxico fungico composto por 50 vocábulos já identificados, utiliza mais frequentemente entre 15 a 20 palavras. Isto num dia normal de semana e em horário de expediente. As restantes apenas são aplicadas quando os cogumelos têm visitas e fungos convidados... 

Os cientistas responsáveis pela investigação estão muito entusiasmados com os resultados iniciais e não se importam de vergar a mola em plena natureza para os escutar de perto.
Praticamente nada se sabia sobre a vida dos cogumelos e agora pode-se concluir que são realmente recheados de surpresas...

A atividade fungicida é particularmente intensa durante a luz do dia. À noite costumam ficar enterrados de sono. Alguns impulsos chegaram a durar 21 horas. Provavelmente, numa discussão conjugal em que a mulher cogumelga culpou o marido por querer criar raízes numa casca de árvore, cheia de musgo bolorento...

Ainda não foi revelado o conteúdo das traduções à atividade comunicativa dos cogumelos.
Apenas uma fuga de informação já viu a luz do dia. Numa publicação no Twitter, traduzida para português é possível ler: "Lá vêm novamente os tipos das batas brancas. É desta que nos vão cagar em cima..."  

(fonte da notícia: https://www.theguardian.com/science/2022/apr/06/fungi-electrical-impulses-human-language-study)



Se deixou de beber leite, pode voltar a fazê-lo e basta arrancar o grelo da batata, espremê-la até ficar chata e coá-la até se tornar uma fonte de cálcio, numa terra barata...

O leite de batata é a bebida sensação do novo boião de uma solução ecológica para continuar a consumir leite, sem criar gado que rejeite ser ordenhado sem receber ordenado...

O leite de amêndoa e soja já têm os dias espremidos e os novos batidos de batata são igualmente ricos em proteína de lata, pacote ou garrafa vendida ao lote...

A DUG é a única empresa que comercializa este leite descascado, mas o mercado do 'faz em casa' já começou a reproduzir a bebida na banca da cozinha, antes que a vizinha publique fotos no Instagram, com as beiças esbranquiçadas e as batatas descascadas...

Inúmeros vídeos de 'como fazer leite de batata' já estão plantados no Youtube e os mais engraçados são aqueles em que os vídeos são cortados, sempre que os filhos interrompem as cozinheiras ao dizer 'Por que é não fazes antes batatas fritas, Mãe?'

A opinião de quem já provou o leite da DUG não é consensual!
Há quem diga que só sabe a casca, há quem o enfrasca dum só gole e há quem o considera quase tão salgado e mole, como o leite caseiro da marca Kospoing Ole...

As vendas do produto já estão enraizadas no Reino Unido, mas ainda não chegaram ao ouvido dos americanos que só admitem experimentá-lo se ele conseguir passar no ralo da pia das cozinhas que não utilizam... 

Em termos nutricionais, fica bem atrás dos demais, sendo 8 vezes menos rico que o leite de soja e 3 vezes menos nutritivo que o leite de amêndoa!
Ainda assim, a diferença de proteína, pode ser compensada, mastigando as pastilhas elásticas feitas das cascas que não se tornam compostagem. Se bem que rilhar chicletes não é bom para a imagem...

A especulação sobre a distribuição massiva do leite batatinha já fez disparar o preço dos sacos de serapilheira que, à sua maneira, já observam as batatas a querer fugir da sua fileira... 

A sustentabilidade da sua produção é a sua mais-valia, desde que se continue a contratar imigrantes ilegais para vergar a mola e encher a sacola rota de batatas quentes...

(fonte da notícia: https://www.odditycentral.com/foods/potato-milk-the-new-health-drink-thats-about-to-take-the-world-by-storm.html)