Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Hetero Doméstico

Insólitos insuflados com humor gourmet contrafeito e outros pitéus domésticos

Insólitos insuflados com humor gourmet contrafeito e outros pitéus domésticos

O cego sexismo visita pontualmente este blog e é cordialmente recebido com insultos motivadores que o aconselham a fazer uma viagem... de volta ao século XIX!!!

 

 Qual é a vossa opinião sobre as colaboradoras de uma empresa que usam invariavelmente saias curtas, vestidos com menos pano ou decotes que fazem lembrar as máquinas antigas de picar o ponto???

 

Consideram que o fazem uma vez que estão no seu pleno direito de usar o que o dress code da empresa não menciona, pelo facto de obterem melhores resultados (na tabela mensal de assédio sexual...) profissionais ou somente para se habilitarem a um bónus de €1,37/hora pago por uma empresa russa às suas funcionárias que usem menos roupa e mais make up???? 

 

HD Empresa paga bónus a mulheres que usem saias e

(fonte da imagem: https://www.news.com.au/lifestyle/fashion/company-slammed-for-paying-female-staff-to-wear-skirts/news-story/3d1d0ce86e686666f6726ff712218a32)

 

De realçar que a mesma empresa, também promove competições amigáveis em troca de dinheiro para homens. Tais como concursos de flexões e incentivos pecuniários para sacudir a pressão a quem lave as mãos depois de urinar...

Algumas políticas de empresa são completamente desajustadas para o ambiente de trabalho e sujeitam os colaboradores a algumas situações apertadas e, neste calor, bem suadas!

A indumentária de algumas profissões obriga os funcionários a usar roupa pouco confortável, mesmo que eles não sejam vistos da cinta para baixo...

 

HD Motoristas de saia.jpg

 (imagem https://i1.wp.com/vanguarddaily.com/wp-content/uploads/2017/06/Bus-drivers-wear-skirts-France-heatwave.jpg?resize=617%2C445&ssl=1)

 

Em protesto contra a proibição de usar calções no horário laboral, motoristas de uma empresa francesa resolveram arejar as partes baixas, mais ou menos como os escoceses...

 

A ação foi bem sucedida e a entidade patronal levantou a proibição: as saias foram travadas!