Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Hetero Doméstico

Insólitos insuflados com humor gourmet contrafeito e outros pitéus domésticos

Insólitos insuflados com humor gourmet contrafeito e outros pitéus domésticos

O frio que se sente no inverno é sessenta vezes maior quando alguém se senta na sanita...

Entre o conforto de estar sentado ou sentir o nalguedo gelado, há um salpico acre que nos convence a não tentar usar o robe ao contrário...

Existem coberturas e tampos de sanitas para pessoas menos aflitas, mas depois do primeiro uso é um abuso olfativo voltar a col(oc)á-las no interior das nossas coxas...


(fonte da imagem: https://www.dailystar.co.uk/news/weird-news/japanese-loos-say-hello-warm-23371604)

As novas sanitas japonesas 'dizem olá' a todas as certezas que temos ao querer passar mais tempo a fazer as necessidades fisiológicas, combatendo as adversidades meteorológicas como o frio e os aguaceiros, vindos de baixo para cima...

Basta levantar a tampa, para a sanita 'dizer olá' e 'sinta-se à vontade para soprar de todas as formas que consiga'...

Brilham no escuro, da mesma forma que nós brilhamos ao deixar entrar alguma claridade pelo portão onde nem um feijão costuma poder entrar...

Podem ser previamente aquecidas à temperatura desejada e são programadas para fazer a descarga ainda antes da entrada de ar pelas nossas trémulas narinas...

São a tecnologia de ponta (à ponta) mais procurada desde a 2ª ou 3ª (em qual é que vamos?) vaga da pandemia!

Conseguem medir a pressão arterial, o nível de açúcar e gordura corporal! Têm alguma margem de erro devido à dificuldade de distinção entre jogas, troncos, barro e lava porcelânica...  

O aumento das adoções de animais de estimação, foi o único bom aumento que ouvimos falar durante a primeira vaga da pandemia...
Nesta segunda vaga, entre o fim do lay-off e o regresso ao teletrabalho, há menos um galho a ser ocupado pelo bichinho que tanto carinho nos trouxe e nada levou consigo...

O abandono de animais voltou a crescer no final do ano e a chegada da vacina não trará a imunidade de inumanidade sazonal, proporcional à conveniência do Natal...


(fonte da imagem: https://torontosun.com/news/weird/rescue-cats-don-santa-suits-for-purrfect-korean-christmas)

Um café, na Coreia do Sul, resgata gatos abandonados para (n)os manter ocupados, onde nesta altura do ano são fardados a rigor para receberem os poucos clientes que procuram o amor felino fora do aconchego do lar... 

O café tem cerca de 130 gatos que não respeitam a distância de segurança, entre o colo e a pança dos clientes mais exigentes de calor e mimo...

Os clientes estão autorizados a alimentar os animais, desde que façam despesa suficiente para darem alimento ao proprietário e funcionários do estabelecimento...

Existem vários letreiros a avisar que os chocolates de decoração apenas se encontram junto às árvores de Natal e não estão espalhados nas caixas de areia...

A clientela habitual rondava as 100 pessoas diárias, mas com a pandemia, o número desceu para cerca de 30. Os clientes resistentes, preferem sair do café com a roupa cheia de pelo do que com os ouvidos cheios de conselhos de epidemiologistas amadores... 

Em plena pandemia, por vezes esqueço-me que as pessoas têm uma cara por detrás da máscara!

Ainda me conseguem arrancar uma gargalhada abafada, sempre que entram em algum local e dizem que se esqueceram da máscara. Não vá alguém dizer o contrário...

Felizmente, a distância social tem uns elásticos maiores que a máscara e nos impede de sentir um odor epidémico tão nocivo como o vírus...


(fonte da imagem: https://eu.usatoday.com/story/money/food/2020/10/14/hormel-black-label-bacon-face-masks-giveaway/3653043001/)

Uma empresa americana lançou no mercado uma máscara respirável com cheiro a bacon que garante um perfume a porco mesmo a quem tem um bafo de cavalo...

A ideia convenceu alguns americanos a começarem a usar máscara. Pelo menos até à hora do churrasco...

A distribuição do artigo tem provocado muita curiosidade, não só em humanos como em animais!
São vários os relatos de carrinhas de transporte perseguidas por multidões que salivam por meter o nariz onde... as máscaras estão embaladas!

O produto levanta muitas dúvidas entre a indústria de saúde e os consumidores.
Muitos se recusam a usar uma proteção aporcalhada que consegue mascarar completamente o cheiro a cebola e a alho...

As máscaras são reutilizáveis, mas correm sérios riscos de se tornarem descartáveis!
Depois de ingeridas, mastigadas e defecadas como paraquedas. Em queda livre para as sanitas...  

Já entramos em outubro e o Halloween aproxima-se mais rápido que o tão esperado final do ano...

Em anos passados, a questão sobre a máscara que iríamos usar não se limitaria às opções cirúrgicas ou reutilizáveis!

Mesmo com as limitações da pandemia, a tradição não se pode perder!
A tradição até pode -já que nunca foi nossa- mas não se pode meter o pé na poça, na hora de colocar à venda uma máscara que garante uma distância de segurança e repugnância...


(fonte da imagem: https://www.independent.co.uk/life-style/amazon-coronavirus-halloween-mask-costume-china-b738539.html)

A Amazon retirou várias máscaras de Halloween à venda nas suas plataformas, por violarem as normas de bom senso, bom gosto e falta de respeito por quem tem falta de ar no peito...

Quase todas as máscaras, com detalhes grotescos do Coronavírus, eram provenientes de vendedores sediados na China. País conhecido por vender material barato e doenças caras...

Milhares de denúncias de utilizadores levaram à remoção da venda ‘on-line’ destes artigos!
A maior parte devido à insensibilidade para com o número de mortes já provocadas pela pandemia, embora algumas reclamações tenham sido reportadas por clientes que se queixaram que não conseguiam respirar com à máscara posta...

A descrição do produto, refere que são feitas de um material não tóxico, amigo do ambiente e podem ser usadas no Halloween, Carnaval, Natal, Páscoa e em todos os feriados que tão cedo não vamos celebrar...

Somente há um tamanho disponível: o adulto!
Podem ser usadas por idosos, apesar de haver uma maior dificuldade em retirar a máscara, depois de respirar em frente a alguém que não tenha uma igual... 

Enquanto se receia pelo decreto de novo confinamento, muitos noivos realizaram o seu casamento!
Apesar de algumas restrições na cerimónia, é preferível juntar já os trapinhos antes que os caminhos se separem...

A contenção de despesas começa nas despensas e acaba quando todos os envelopes ficam vazios...

Rios de dinheiro são gastos em casamentos, para que um dia inesquecível fique rapidamente afogado ao nível da água que só é servida em casa, na ressaca dos pés em brasa... 


(fonte da imagem: https://www.mirror.co.uk/news/weird-news/couple-spend-2000-cardboard-cutouts-22665875)

Um casal inglês gastou mais de 2 mil euros 'em cartão', com 50 convidados que foram recortados para estarem presentes no dia mais importante... da empresa que recebeu esta encomenda!

Devido à subida do número de casos do Covid-19 no Reino Unido, apenas é possível realizar casamentos com 30 pessoas, onde o distanciamento tem de ser maior que o praticado entre o noivo e a sua sogra...

Pediram fotos a todos os amigos que gostariam de ver presentes e foram esses os únicos presentes que chegaram a receber...

Apenas 14 pessoas compareceram no casório, mas um facto notório foi o desaparecimento de alguns convidados 'encartonados' que podem ter sido raptados e estarão cativos no fundo de gavetas e armários...

Segundo os noivos, o valor gasto nos recortes foi inferior ao que era reservado para álcool!
Todavia, no fim da pandemia, será realizada uma festa em que participarão todos os amigos e familiares (ainda vivos), onde o cartão apenas será utilizado como base para copos...