Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Hetero Doméstico

Insólitos insuflados com humor gourmet contrafeito e outros pitéus domésticos

Insólitos insuflados com humor gourmet contrafeito e outros pitéus domésticos

No fim de semana passado, num grupo de amigos, conheci um jovem que se apresentava como influenciador. Veste roupas de uma marca e publica as fotos nas redes sociais. Disse-me não recebia nada por isso: compra as próprias roupas e, como está temporariamente desempregado, está a pagar o telemóvel às prestações. De momento, apenas está a conseguir influenciar os seus pais...

 

É uma ameaça à escala mundial, talvez mais alarmante que o aquecimento global. Todos juntos conseguem tapar o buraco do ozono, um sozinho... só consegue tapar os olhos de quem não quer ver!

 

HD Influenciadores chupam o mesmo e pagam a dobrar

(fonte da imagem: https://metro.co.uk/2019/07/03/ice-cream-seller-charges-double-for-every-influencer-who-asks-for-a-freebie-10109479/)

 

Cansado de lhe pedincharem por gelados em troco de selfies meladas no Instagram, um vendedor de gelados colocou um aviso a informar que os influenciadores pagam a dobrar... 

 

É francamente saboroso saber que esta praga de pedinchões começa a provar o seu próprio veneno. Claro que se tivessem de provar o veneno dos outros, não tinham qualquer problema em fazê-lo. Desde que não lhes cobrassem pela limpeza do vómito e da espuma dos (últimos) dias...

(Quem é que não gaguejou a ler o título???)


Não estava completamente nu, usava um preservativo.
A tranquilidade com que este alucinado se passeia, em plena luz do dia, na via pública é um claro indicador que a camada do ozono está a agendar-nos o apocalipse...

 

george is guy naked or i hate leaving home and for

 (imagem http://cyberi4a.blogspot.pt/2011/10/george-theres-naked-man-walking-down.html?zx=5efed570c7aa17f0)

 

Apesar de saber que estava a ser observado, nada o demoveu de badalar o apêndice exterior e saborear o ar fresco entre as pernas.

 

Se as pessoas já se sentem confortáveis a passear nuas, pela rua em Portugal, não tarda que se conformem com o cenário de pobreza e precariedade crescente que assola o nosso país...

 

(nem quero ouvir dizer que isto já acontece!)