Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Hetero Doméstico

Insólitos insuflados com humor gourmet contrafeito e outros pitéus domésticos

Insólitos insuflados com humor gourmet contrafeito e outros pitéus domésticos

O balanço dos dias de hoje, é feito num baloiço lento que tanto sobe ao sabor do vento, como estagna em ‘suspense’ à espera de um empurrão pela mão de quem confiamos...

A saúde não se resume a perdermos uma discussão sobre quem tem mais maleitas e menos receitas para poder aviar as prescrições médicas...

O estado mental da população mundial é o único festival que todos estamos a comparecer!
Cada um no seu lugar a escutar o mesmo 'cabeça contra o cartaz'...

Depressões aos milhões e as pontas dos dedos a contar os tostões!?

As palmas e os dedos detêm segredos que não devem chegar às multidões...


(fonte da imagem: https://www.gentside.co.uk/viral/a-90-year-old-has-been-caught-smearing-poo-on-children-s-swing-sets-in-a-bizarre-protest_art5732.html)

Uma avó de 90 anos, arrecadou o que ainda lhe vai saindo do ânus e foi apanhada a barrar os baloiços dum parque infantil, com uma matéria castanha, estranha e febril...

Não foi a primeira vez que a 'vovó cocó' passou uma cobertura escura em divertimentos de parques infantis!
Sempre que foi confrontada com a grotesca cagada, ripostou com uma pá a quem tentou impedi-la de trabalhar a sua própria argila...


As fotos captadas por habitantes locais, comprovam que nem usava luvas ou máscara!
O que resulta numa enorme propensão em poder apanhar o Covid-19, ao tocar nos baloiços...

Alegadamente, a nonagenária ordinária já havia tentado derrubar os baloiços. Mas como eles estavam bem presos ao chão, acabou por cagar (diarreia) na ideia...

Imagino as pobres crianças das redondezas, a tentar explicar aos pais, as manchas castanhas mal cheirosas até às estranhas:
— Mãe, desculpa por ter feito cocó nas calças! Suponho que tenho de voltar a usar fraldas, como a vovó...

A Organização Mundial de Saúde está fortemente empenhada em combater o Covid-19.
Apesar de a tática escolhida, ser a de confundir o inimigo: com jogos de escondidas dentro de casa e festas de máscaras com adereços opcionais...

A OMS confirmou recentemente que "o vírus está a mudar, mas não está a perder potência!"
Mais uma vez as críticas não tardaram a aparecer, por falta de esclarecimento e incongruência.
A verdade é que um recente caso de infeção veio confirmar esta vigorosa declaração...


(fonte da imagem: https://evostrix.co.uk/man-suffers-4-hour-erection-with-covid-19-coronavirus-infection/)

Um francês de 62 anos, contagiado com o coronavírus, sofreu uma ereção de 4 horas, provocada por coágulos de sangue confinados nas suas partes íntimas...

Como o paciente já estava sedado e ligado a um ventilador, não sofreu nenhuma dor!
Pelo menos, enquanto patrulhas de médicos espetaram agulhas para reencaminhar o sangue acumulado numa zona que requer menos cuidado...

Depois de uma maratona de esgrima suada em lençóis encarnados, foi possível tapar o buraco infligido na inocente cama hospitalar...

Ao fim de duas semanas com respiração assistida, o homem também conseguiu levantar-se da cama...

A cicatrização das feridas causadas pelas agulhas vai ser longa e terá de ser cumprida!

Os médicos aconselharam o paciente a não praticar sexo e a urinar sentado. Os furos provocados pelas agulhas, fazem 'um efeito regador durante a micção' e a probabilidade de sujar a tijoleira da casa de banho, pode convidar a sua esposa a acompanhá-lo novamente às urgências...

A principal dificuldade em detetar surtos de Covid-19 é compreender porque é que as pessoas consideram a sua vida social mais importante que a saúde de todos...

Depois da proibição de festivais e ajuntamentos, ainda existem vários mandamentos lapidados em mentes quadradas. Notícias em todo o mundo, registam infeções evitáveis que não escolhem religiões, nem crenças saudáveis...

A tradição alimenta a cultura que perdura como uma vacina milenar...

Os negócios em família resultam sempre numa quezília, apenas sanada depois de gerações de falência e insolvência...


(fonte da imagem: https://www.buzz.ie/news/groom-dies-and-over-100-guests-test-positive-for-covid-19-after-wedding-in-india-376585)

Um noivo indiano contagiou mais de uma centena de convidados, depois de assegurar que apenas a morte pode separar marido, mulher e toda uma pobre província...


Alegadamente, já estava doente antes do casamento. Mas como em qualquer matrimónio martelado, ninguém fica chateado se o noivo está adoentado antes de cometer o primeiro pecado...

Faleceu 2 dias depois no hospital, sem chegar a ver o enxoval da sua mulher...

Como o corpo foi cremado, não chegou a ser autopsiado e comprovado o possível contágio!

A confirmação chegou em coro solene, num funeral onde compareceram todos os familiares e amigos. Inclusive aqueles que não tiveram a sorte de ser convidados para cumprimentar os noivos durante o casório...

O uso de máscara é o assunto mais abafado das nossas vidas!
Também elas, presas por elásticos e esquecidas em bolsas cada vez mais vazias...

É o tema de conversa dominante e veio substituir as constatações sobre o estado do tempo!
A importância do frio e calor já não é o motivo pelo qual iniciamos uma conversa. Até porque é quase impossível conversar com a boca tapada e o ardor nos ouvidos de um mercador...

As recomendações dos responsáveis de saúde mudam-se amiúde, como uma máscara cirúrgica que não torna ninguém mais seguro, por desconhecer o número de infetados no futuro...


(fonte da imagem: https://www.newshub.co.nz/home/world/2020/06/coronavirus-conspiracy-theorists-give-lawmakers-the-bizarre-reasons-they-don-t-want-to-wear-masks.html)

Covidiotas preocupados em salvar as teorias de conspiração sobre o Coronavírus, justificaram aos governantes da Florida, as razões pelas quais se recusam a usar máscara e argumentos válidos...

Segundo estes especialistas de revistas, as leis de obrigatoriedade de uso de máscara foram impostas por Satanás. Entidade espiritual que não leva a mal que se ponha esse assunto atrás das costas...

Desde a defesa da liberdade de consumo de oxigénio, à epifania de génio que sugere que apenas as pessoas doentes devem usar máscara. Pelo menos, até não manifestarem mais sintomas...

A protestante mais arejada confessou que não usa máscara pelo mesmo motivo de não usar roupa interior.
Precisa de deixar respirar todas as 'covidades', para não correr o risco de asfixiar e ter de se deitar noutro buraco, onde não voltará a acordar...

Cada ano que passa, existem mais dádivas de órgãos em todo o mundo!
Contudo, alguns falecidos recusam-se a ceder partes do seu corpo que acabam por apodrecer, assim como a sua alma que felizmente não faz falta a quem precisa de continuar vivo...

Vários pedidos de não doação de órgãos, são a última das vontades de quem nem tem força na mão, para redigir sequer um testamento...

Mas ainda há quem espere pela hora de alguém, como um refém com Síndrome de Estocolmo.
Primeiro estranha-se, depois entranha-se. Caso a operação seja bem sucedida...

Como os seres humanos não são todos iguais, exemplos daqueles que são mais humanos, podem passar vários anos na esperança de dar, como modo de poder agradecer...


(fonte da imagem: https://www.upi.com/Odd_News/2020/06/22/Husband-and-wife-donate-organs-to-same-man-16-years-apart/3661592845380/)

Passados 16 anos, uma viúva doou um rim, ao mesmo homem que o seu falecido marido havia doado o pâncreas e o rim, quando chegou o seu fim...

Como o primeiro rim estava em falência, o afortunado fez um comunicado nas redes sociais a perguntar se alguém tinha algum rim a mais, que pudesse dispensar...

Sentindo uma força interior de a ligar ao falecido marido, respondeu ao pedido com muita satisfação e com aquele emoji novo do abraço com um coração apertado...

Primeiro acreditou que poderia ser uma piada, mas a dádiva foi confirmada com uma mensagem privada sem informação de preço e disponibilidade de stock...

A cirurgia foi um sucesso! O rim pode funcionar perfeitamente, entre 10 e 14 anos.
Marido e mulher voltaram a reunir-se em funções renais e matrimoniais. Pelo menos, até que a diálise os separe...