Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Hetero Doméstico

Insólitos insuflados com humor gourmet contrafeito e outros pitéus domésticos

Insólitos insuflados com humor gourmet contrafeito e outros pitéus domésticos

A principal dificuldade em detetar surtos de Covid-19 é compreender porque é que as pessoas consideram a sua vida social mais importante que a saúde de todos...

Depois da proibição de festivais e ajuntamentos, ainda existem vários mandamentos lapidados em mentes quadradas. Notícias em todo o mundo, registam infeções evitáveis que não escolhem religiões, nem crenças saudáveis...

A tradição alimenta a cultura que perdura como uma vacina milenar...

Os negócios em família resultam sempre numa quezília, apenas sanada depois de gerações de falência e insolvência...


(fonte da imagem: https://www.buzz.ie/news/groom-dies-and-over-100-guests-test-positive-for-covid-19-after-wedding-in-india-376585)

Um noivo indiano contagiou mais de uma centena de convidados, depois de assegurar que apenas a morte pode separar marido, mulher e toda uma pobre província...


Alegadamente, já estava doente antes do casamento. Mas como em qualquer matrimónio martelado, ninguém fica chateado se o noivo está adoentado antes de cometer o primeiro pecado...

Faleceu 2 dias depois no hospital, sem chegar a ver o enxoval da sua mulher...

Como o corpo foi cremado, não chegou a ser autopsiado e comprovado o possível contágio!

A confirmação chegou em coro solene, num funeral onde compareceram todos os familiares e amigos. Inclusive aqueles que não tiveram a sorte de ser convidados para cumprimentar os noivos durante o casório...

Se subtrairmos o valor que iríamos gastar em casamentos, este Verão, pelo corte salarial gerado no lay-off 'abençoado' teríamos um superavit de fazer inveja ao Mário Centeno...

É difícil de aceitar que não se pode concretizar uma cerimónia que exige compromisso 'na saúde e na doença '. Nenhuma avença é exagerada para proporcionar aos noivos, uma lua de mel, longa e folgada...

Fico feliz de testemunhar a união pela igreja, de casais que querem levar a relação a outro nível.
Seja pela declaração de IRS conjunta ou pela oportunidade única de acordar com as trombetas do seu amado que emitirá sons aromáticos até ao fim do seu reinado...

Os gritos de revolta dos nossos dias, são a frustração de não ter casamentos no Verão e conformação de ter de fazer férias num país, cuja língua sabemos falar razoavelmente, desde que temos memória...


(fonte da imagem: https://www.albanyherald.com/news/world_nation/this-couples-wedding-first-look-happened-in-front-of-a-black-lives-matter-protest/article_381b274e-05bf-50a1-9e2d-f816c36cc001.html)

Um casal americano, celebrou o seu casamento durante os protestos, depois de a sua cerimónia ter sido cancelada devido a um vírus que não seleciona raças para atacar...

Resignados, pensaram em fazer uma festa pequena, apenas para a família.
Mas quando ouviram uma vigília no exterior, resolveram celebrar o amor com milhares de testemunhas capazes de empunhar cartazes!!!

Como a multidão não tinha arroz à mão para atirar, dirigiu-se, de forma ordeira, a um supermercado ao lado que estava a fazer uma promoção de venda para tudo o que pudesse existir. Ainda intacto...

Por alguns instantes, os manifestantes puderam desviar as atenções dos canhões de água da polícia e assistir à união de duas pessoas que conseguiram poupar consideravelmente em fotógrafos...

Brincar com bonecos em tempo de quarentena é um raro privilégio que outrora tivemos, na mesma época, em que a Telescola era transmitida na RTP! Memória(s)...

Só o fazemos para distrair as crianças!
Os bonecos é que acabam por se apegar demasiado a nós, ao ponto de adormecerem connosco no sofá...

barbie540.jpg
(fonte da imagem: https://www.mirror.co.uk/news/weird-news/photographer-keeps-busy-lockdown-capturing-21894594)

Uma fotógrafa, decidiu manter-se ocupada, durante o tempo fechada, e recriou o casamento da Barbie. Numa sessão profissional que só deverá voltar a fazer lá para o Natal...

As fotos de exterior foram tiradas no seu jardim, para espanto dos vizinhos que iam trazendo o lixo à rua, a cada 10 minutos, para tentarem aparecer nas fotos do festim!

As fotos ficaram fenomenais e podem ser encontradas em todas as redes sociais, onde este ano, serão as únicas fotos grupais com Barbies bronzeadas e motivos florais...

Ninguém gosta de admitir que ressona. Prefere dormir sobre o assunto, não descartando a hipótese de orquestar experimentar um trombone enquanto o parceiro assiste acordado até ao findar da ópera...

Existem vários truques, técnicas e gadgets no mercado. Todavia, o único que dá conta do recado é manter o roncador isolado longe de tímpanos não necessariamente sensíveis...


(fonte da imagem: https://www.mirror.co.uk/news/weird-news/morrisons-selling-plant-nasa-says-21301922)

Cientistas da Nasa descobriram um tipo de ananás que, quando usado como candeeiro na mesinha de cabeceira, acaba com as sinfonias roncantes de maridos e amantes...

Este fruto milagroso melhora a qualidade do ar, produzindo oxigénio nos quartos empestados de gases enclausurados nos lençóis e hálitos pestilentos, em todos os momentos! 

A planta tem muita procura, mas o seu crescimento dura cerca de 2 anos!!! 
O casamento costuma durar mais tempo e devemos dar uma oportunidade ao ananás: antes que várias noites sem dormir levem as insónias do nosso parceiro a fazer umas coisinhas más...

A criatividade cravada nos momentos mais especiais, confere uma memória vívida que pode ficar apenas guardada numa gaveta ou pendurada numa parede até que caia, quando alguém lá vai tirar-lhe o pó...

As sogras têm dedo para o bordado e a pintura. Mas se há prenda que perdura é aquela que marca o seu cunho numa infeliz escultura...


(fonte da imagem: https://amedpost.com/newlyweds-mortified-after-mother-in-law-gifts-them-a-sculpture-of-their-proposal-with-a-very-rude-design-flaw/

Um pedido de casamento gravado numa escultura foi a oferta para um casal que não se esquecerá de mostrar os dedos na hora de enfiar o anel...

A foto ao lado comprova que a proposta não foi indecente!
Aquele braço sem dedinhos não parece querer muitos carinhos, nem sequer erguer caminhos. Embora consiga ser a curva de atenção de muita gente (mais curta)