Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Hetero Doméstico

Insólitos insuflados com humor gourmet contrafeito e outros pitéus domésticos

Insólitos insuflados com humor gourmet contrafeito e outros pitéus domésticos

Se pesquisarem no Google 'as maneiras mais estúpidas de apanhar Covid-19', talvez encontrem alguma facilmente reconhecida, por algum vizinho ou familiar, que também arranjou uma desculpa para sair de casa sem necessidade aparente...

Pior que sair de casa é entrar em casa alheia, com ou sem convite, mas com um palpite que possa haver algum aniversário que possa prolongar ainda mais este calendário...


(fonte da imagem: https://www.radio.com/news/15-people-contract-covid-from-attending-cats-birthday-party)

Mais de 15 pessoas contraíram o novo coronavírus, após terem comparecido numa festa de aniversário de um gato que deve ter julgado que a tosse e os espirros seriam apenas resultado de uma alergia, a sair de casa depois do confinamento...

O surto peludo, atraiu as atenções do ministro da Saúde do Chile, que não ficou surpreso por se tratar de um ajuntamento devido a uma festa de anos. Ficou após saber que o aniversário era de um gato, animal responsável por assegurar a sua própria higiene pessoal...

A boa notícia foi que o gato não ficou contaminado!
A má notícia foi saber que o dono era o paciente zero, responsável pela contaminação de todos os convidados. Inclusive daqueles que até trouxeram prenda...

Todos os contaminados confessaram que o motivo da reunião, foi efetivamente a celebração do aniversário do gato. Nenhum deles tentou enganar as autoridades, com justificações disparatadas como levar comida e prestar apoio comunitário ao dono...

Para além das 10 pessoas que cantaram os parabéns ao bichano, mais 5 pessoas ficaram doentes por se recusarem a acreditar na história e terem exigido explicações presenciais aos convidados...

Os bebés costumam dar-se bem com a água!
Se pudessem escolher entre toalhitas perfumadas e água corrente, creio que nenhum recém-nascido ficaria indiferente às despesas mensais que os seus pais têm com fraldas...

Desde partos na banheira a mergulhos nas piscinas, desde muito pequeninas, todas as crianças acabam por se habituar a tomar banhos forçados. Entretanto, crescem e competem pelo pior odor nas axilas que só pode realmente ser medido, quando se amontoam nos transportes escolares...


(fonte da imagem: https://www.mirror.co.uk/news/weird-news/parents-accused-child-abuse-over-22732285)

Um bebé de 6 meses é uma sensação (clara de abuso parental) no Instagram, onde aparece a fazer esqui aquático, com um sorriso de orelha a orelha. Mas levanta a sobrancelha de quem já acha perigoso dar-lhe um banho de água fria...

Segundo os pais, desde os 3 meses que se consegue manter de pé!
Desde aí, começou a trepar pelos móveis, à procura das chaves de casa...

Apesar da despesa, o custo da babycock da Chicco já começa a ser amortizado com as receitas obtidas nas redes sociais...

Os haters repudiam a negligência dos pais em colocar a segurança da criança em risco!
Os defensores desta aventura, dizem que esta criatura não chegará a precisar de tablet e smartphone, para se entreter e conseguir comer sossegado à mesa...

Com meio ano de vida, já montou uma tartaruga, brincou com cavalos e já explorou parques ecológicos.
No seu primeiro aniversário, espera-se que já consiga falar, para pedir aos seus pais para pararem com o frete, de pedinchar likes na internet...

Fazer bolos pode ser uma forma saudável de superar o tempo de isolamento!
Saudável se usarmos ingredientes indigentes em açúcar, hidratos e todos aqueles nomes chatos que nos envolvem e fermentam a cintura, rica em gordura...

Se não soubermos fazer bolos, podemos encomendar às pastelarias locais que ainda usam aventais, para rentabilizar o negócio do take-away... and stay home!


(fonte da imagem: https://www.upi.com/Odd_News/2020/03/20/Bakerys-Quarantine-Cakes-say-wash-your-hands-dont-touch-your-face/4911584727174/)

Uma pastelaria na Califórnia, fabrica bolos de quarentena cujas inscrições no topo, advertem aos cuidados higiénicos que devemos ter, quando não os comemos com uma colher...

'Lava as mãos' e 'Não toques na cara' são alguns avisos recheados de conselhos sanitários, para todos os clientes que só se higienizam em batizados e aniversários...

Mesmo que o bolo seja de 'lamber e chorar por mais ', não existe qualquer motivo para limpar só os dedos em guardanapos e até jornais...

As agulhas de crochê ainda não estão inflacionadas no mercado...
São muito úteis nestes tempos de isolamento e servem como terapia para tricotar fora das redes sociais!

Todavia, não devem ser usadas para silenciar nenhum membro familiar durante a quarentena...


(fonte da imagem: https://odditymall.com/crochet-coronavirus)

Um blog de crochet ensina todos os 'quarentenos' a tricotar -mais ou menos- um bonequinho com a cara do coronavírus, para termos uma recordação dos tempos em que, lá em casa, não havia lá muita distração...

Os modelos são mais fofinhos que aqueles bichos redondos coloridos!
O pano de fundo de todas as notícias com as estatísticas suspeitas de também usarem máscaras...

Pode ser igualmente uma sugestão de prenda para os próximos aniversários. Uma sugestão como outra qualquer que já não iremos escolher, pedir para embrulhar e lá meter o talão de troca... 

Aquelas crianças que têm a infelicidade do aniversário coincidir com o Natal no calendário, costumam receber uma só prenda, para celebração do orçamento familiar...

Quando o dia de anos é o 26 de Dezembro... há sempre um membro da família a desejar boas festas, por estas e por outras que hão de vir...


(fonte da imagem: https://www.mirror.co.uk/news/weird-news/mum-wants-change-sons-birthday-21587701)

Uma mãe mão de vaca pediu conselhos na rede social Mumsnet sobre a possibilidade de alterar a data de aniversário do filho, por não lhe dar muito jeito ter de fazer festas para o filho de Deus e ao seu próprio filho, em dias consecutivos...

Em termos legais, não é possível fazê-lo! O Natal tem mesmo de ser celebrado no dia do costume...

Os utilizadores da Mumsnet ficaram revoltados com a sugestão e repudiaram veementemente esta hipótese. A criança poderia ficar baralhada com a troca do dia e ficar com traumas irreversíveis, apenas superáveis com um potencial divórcio que pudesse assegurar duas prendas no mesmo dia...